Impermeabilização: conheça os sistemas mais usados

Na construção civil, as etapas devem ser bem planejadas e executadas com o objetivo de garantir obras eficientes e seguras. O serviço que garante que a edificação estará protegida contra a ação de fatores externos e intempéries é a impermeabilização, essencial no planejamento de qualquer construção ou reforma.

Impermeabilização é um sistema concebido para vedar os materiais porosos, com o objetivo de impedir os efeitos da umidade nas construções. É uma etapa essencial na construção de qualquer imóvel, independente do seu uso, pois proporciona conforto e segurança aos usuários.

A impermeabilização também pode envolver uma série de materiais e equipamentos, como os próprios impermeabilizantes, calhas e rufos.

Essencialmente, calhas e rufos são estruturas metálicas utilizadas para o escoamento da água e proteção da alvenaria, assim como dos locais de encontro entre telhados e paredes.

Falhas na impermeabilização podem resultar em problemas de aspecto desagradável, como manchas, bolores e o destacamento dos revestimentos ou pintura.

A umidade também é altamente propícia para a proliferação de fungos e bactérias, que podem prejudicar a saúde dos usuários do espaço e torná-lo insalubre.

Além disso, em situações extremas, pode ocorrer até a oxidação das armaduras da construção, ocasionando em problemas estruturais. Nesse cenário, em grandes proporções, esses problemas são capazes de comprometer a integridade dos imóveis.

Grande parte dos problemas envolvendo a impermeabilização pode ser resolvido com a aplicação de produto impermeabilizante, de acordo com a situação em que se encontram as construções.

Diferentes tipos de impermeabilização na construção civil

A classificação dos sistemas de impermeabilização leva em conta a possibilidade de as estruturas que receberão o tratamento sofrerem com o aparecimento de fissuras. Por isso, os sistemas podem ser divididos em rígidos e flexíveis.

A impermeabilização rígida utiliza aditivos químicos e é indicada para locais que não estarão sujeitos a grandes variações de temperatura. É ideal, portanto, para estruturas com menor incidência de fissuras, como é o caso dos subsolos, piscinas enterradas e galerias sob temperaturas constantes.

Já o sistema flexível geralmente é empregada na impermeabilização de terraços, varandas, coberturas, piscinas suspensas, pisos frios ou lajes.

Ao contrário do primeiro tipo de impermeabilização,
trata-se de um sistema que é indicado para partes construtivas sujeitas à fissuração, principalmente devido a variação de temperatura nas superfícies.

A proteção é feita com materiais que contam com elastômeros ou polímeros em sua composição. Eles podem ser moldados no local, como as membranas, ou pré-fabricados, como é o caso da manta para laje.

Sistemas de impermeabilização mais usados

Diante de uma infiltração, a primeira ação para corrigir o problema deve ser compreender a origem da umidade. Seja na laje ou nas paredes, o ideal é analisar de onde está vindo a água que está prejudicando a construção e, no caso de vazamentos, realizar uma manutenção hidráulica industrial ou residencial.

Identificado e resolvido o problema, o próximo passo é refazer as impermeabilizações necessárias, com mão de obra e produtos de qualidade, agregando proteção às estruturas.

Os procedimentos de impermeabilização são bastante distintos, dependendo da superfície, e com diversos tipos de aplicação.

A maioria dos produtos é aplicado por meio da pintura, mas também é possível citar a instalação de mantas e, até mesmo, com o uso de pistola tipo pneumatica, entre outros processos.

Considerando os principais sistemas de impermeabilização e suas aplicações, é possível listar:

  • Argamassa polimérica: áreas frias e molhadas;
  • Calafetador: vedação de caixilhos, juntas internas e externas;
  • Emulsão acrílica: forma membrana em lajes e coberturas;
  • Emulsão asfáltica: monocomponente usado em terraços, áreas frias, lajes;
  • Hidrofugante: fachadas de pedra, telha cerâmica, tijolo e concreto aparentes;
  • Hidrorrepelente: superfícies minerais, com pedras, tijolos e concreto aparentes;
  • Manta asfáltica: armada com estruturante para lajes, piscinas, reservatórios, floreiras.

Para concluir, vale a pena ressaltar que é essencial que os gestores de obras valorizem essa etapa, realizando um projeto específico para a impermeabilização de paredes, lajes, terraços e outras estruturas que envolvem uma edificação.

Além disso, é importante que os processos envolvidos contem com técnicos e profissionais especializados, para indicar as melhores soluções e realizar os serviços com o máximo de qualidade.

Isso é importante porque grande parte dos problemas envolvendo a impermeabilização é originado de desinformação, descaso ou má execução.

Ao dedicar a devida importância à execução da impermeabilização é possível garantir mais conforto e segurança para os moradores, funcionários ou demais usuários dos espaços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *