Modelos mais comuns de plataforma elevatória

Seja para seguir normas de acessibilidade ou realizar determinados trabalhos em altura, a plataforma elevatória é um acessório fundamental em determinadas situações.

Seu mecanismo de funcionamento é simples: a carga ou indivíduo a ser elevado, é colocado em uma plataforma, que é erguida à altura necessária com rapidez e segurança.

Apesar disso, existem diferentes modelos deste item, sendo que cada um deles é apropriado para determinadas situações. Aprenda mais sobre eles e acerte na escolha:

Plataforma de acessibilidade

Há algumas décadas, acessar determinados locais era um pesadelo para cadeirantes e pessoas com dificuldades de locomoção.

Recentemente, diversos municípios elaboraram uma legislação que reverteu este quadro: agora, ruas e edifícios públicos precisam ser acessíveis a estas pessoas.

Normalmente, a instalação de uma plataforma de acessibilidade é parte das adaptações necessárias em edifícios mais antigos.

Ela pode ser posicionada ao lado de um lance de escadas, quando ele não é extenso o suficiente para justificar a colocação de um elevador.

Plataforma articulada

Profissionais de áreas como engenharia civil e eletricidade, estão acostumados a trabalhar em altura.

Afinal, é o único jeito de realizar tarefas, como o reparo de fios de distribuição de energia e o acabamento de edifícios altos.

Quando há essa necessidade, costuma-se usar a plataforma elevatória articulada. Como o seu próprio nome diz, a estrutura de elevação conta com duas articulações.

Que podem ser manipuladas para colocar o operário na posição exata para o trabalho. Deste modo, ela também é muito usada para operações em locais de difícil acesso ou que requerem exatidão, como a manutenção de aeronaves.

Plataforma tesoura

Já a plataforma tesoura, é usada em situações mais simples, quando não é preciso trabalhar em uma altura muito significativa ou não é preciso ter tanta precisão.

Isso porque ela tem um sistema de elevação diferente: ele consiste em uma série de peças de metal cruzadas que, de fato, lembram uma tesoura.

Em compensação, a área da plataforma é maior. Deste modo, é possível acomodar um carrinho de carga junto com os operários, sem comprometer o trabalho destes.

Plataforma telescópica

Entre todos os modelos apresentados, a plataforma telescópica é a que oferece o maior alcance, tanto na horizontal quanto na vertical.

A desvantagem é que, como ela não é articulada, não há tanta exatidão para posicionar o operário. Em contrapartida, a área da plataforma é bastante reduzida.

Principalmente, quando comparada à da plataforma tesoura. Assim, não é possível colocar itens como um carrinho plataforma nela: é preciso levar apenas o estritamente necessário para o trabalho.

Plataformas elétricas

As plataformas de elevação também se diferenciam quanto à fonte de energia para o seu funcionamento. Elas podem ser elétricas ou a diesel.

Quando são movidas a eletricidade, elas não emitem gases poluentes. Assim, são uma boa opção tanto para trabalhos em ambiente interno quanto externo.

Outra vantagem, é que os modelos costumam acompanhar carregadores e baterias, que podem ser carregadas inclusive em tomadas comuns.

Por outro lado, elas não funcionam bem em pisos instáveis: é preciso que ele esteja perfeitamente nivelado.

Plataformas a diesel

Além das plataformas elétricas, existem modelos que são movidos a diesel. Ao contrário das movidas a eletricidade, elas funcionam bem inclusive em ambientes com solo instável.

Em compensação, seu uso em ambientes fechados exige atenção redobrada: assim como veículos movidos a diesel, ela emite gases poluentes.

Deste modo, sua operação em ambientes internos deve seguir uma série de normas de segurança, que visam à integridade de todos os profissionais envolvidos.

Como escolher a melhor plataforma?

Analisando-se os modelos de plataformas disponíveis no mercado, é fácil perceber que é preciso estudá-las bem antes de decidir qual deve ser usada.

No caso do modelo de acessibilidade, por mais que o objetivo de todas seja o mesmo, cada tipo tem um mecanismo de funcionamento.

Por exemplo: enquanto algumas movem-se na diagonal, outras simplesmente sobem na vertical. No caso de plataformas para construção civil, esta avaliação criteriosa também é necessária.

É preciso analisar fatores, como a necessidade de transportar um carrinho plataforma, a altura que tem que ser atingida.

Se há a necessidade de estar em uma coordenada vertical específica, se o trabalho é interno ou externo, etc.

Vale a pena investir um bom tempo na decisão. Do contrário, um equipamento inadequado pode prejudicar seriamente tanto o orçamento quanto o cronograma do projeto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *